sexta-feira, 25 de maio de 2012

APESAR DE SOZINHA



Busco uma definição para o desassossego
que me impregnou a madrugada
procuro um fio, fino em  desapego
que me conduza à explicação deste meu nada 

Recorro as palavras esquecidas
sinto ser a hora para desguarnecer os desejos (Bia)
socorro as frustrações esmaecidas
pressintindo que não provarei dos seus beijos 

 Instauro novas possibilidades
que apesar de sozinha, me resgata a delicadeza feminina 
destruo aquelas negatividades
que me impediam de enxergar em mim aquela doce menina 

Encerro enfim a viagem pelo íntimo
encontrando em mim história verdadeira e completa 
Inspiro os sentires flutuantes e ínfimos,
expirando-os no bom vento, minha alma se repleta 

Bia Cunha, Lena Ferreira & Dhenova

2 comentários:

  1. Mais um e sempre uma alegria de sentar pra pulverizar poesia... Amoooo

    Grata sempre

    ResponderExcluir